Ciclistas e Mautoristas

Em tempos de notícias de atropelamentos de ciclistas (aqui, aqui e aqui, por exemplo), era de pensar que os motoristas iam ficar com um pouco mais de cuidado (ou pelo menos, um pouco mais de dedos pra não aparecer na TV como assassino) para com os ciclistas. Tentei, hoje, adotar a tática do 1/3 da pista, mas não deu certo. Recebi buzinadas (tá certo que foi apenas uma buzinada, mas o cara buzinou durante um tempão, sendo que ele podia me ultrapassar com facilidade. Quando cedi a passagem, ele me fechou, claro. Aí ficou na mesma velocidade que eu, fiz aquele gesto de “guiando um cavalo”).

Vai Cavalo

Vai, Cavalo!

Em outras ocasiões, tive que mover meu guidão para não levar pancada nas ultrapassagens (umas 3 ou 4 vezes; bem rentes), mas como fiz em ruas de mão única, pode ser que isso tenha sido uma má idéia. Não tive cagaço de fazer isso nas ruas com mais de uma mão, por motivos de velocidade maior. Mas posso dizer que até esperava mais buzinadas; além disso, uma van me ultrapassou de forma segura e um ônibus me deu a preferência na hora em que ia acessar o ponto (pasmem). Mas isso pode ter sido só coincidência da calma inerente ao domingo… A princípio, vou continuar vivendo “na sarjeta”.